Nav Bar do usuário deslogado.

Resultados de Busca

Título da Página

Ordenar
Resultados da busca
262 resultados
Startup.Tech - Conexsus e Senai CETIQT abrem chamada para startups e empresas interessadas em solucionar desafios da sociobioeconomia amazônica
*texto produzido por Bruno Maranhão O Instituto Senai de Inovação em Biossintéticos e Fibras (ISI B&F), do SENAI CETIQT, e a Conexsus tornam pública a chamada para a segunda edição do Startup.Tech, iniciativa do ISI B&F que conecta demandas de indústrias às soluções de startups ou empresas de base tecnológica. A parceria busca soluções para os desafios da sociobioeconomia da Amazônia com o objetivo de fomentar a economia sustentável e a conservação da biodiversidade do território. “O único caminho para conservação desta importante floresta, e dos povos que dependem dela, é aquele no qual as pessoas e a natureza prosperam juntas”, afirma Maíra Vasconcellos, da área de Acesso a Mercado da Conexsus. Segundo ela, a inovação social, sob a ótica da floresta e dos seus povos, “garante desenvolvimento sustentável às presentes e futuras gerações”, e é essa a principal motivação da iniciativa, que recebe inscrições ao longo de todo o mês de agosto. Qual o objetivo da chamada Fomentar a sociobioeconomia amazônica por meio de apoio técnico e financeiro a startups e/ou empresas que buscam desenvolver soluções inovadoras e sustentáveis no território, valorizando seus recursos naturais e os saberes dos povos da floresta. Quem pode participar Startups de base tecnológica com CNPJ ativo há até dez anos - completados antes da data da contratação do projeto; Empresas de base tecnológica que possuam CNAE Industrial Primário; Médias e grandes empresas que atuarão como demandantes de soluções tecnológicas envolvendo sociobioeconomia amazônica. Quais benefícios serão oferecidos As startups e empresas de base tecnológica selecionadas pela iniciativa serão beneficiadas com: ● Acesso ao Habitat de Inovação do ISI B&F, localizado no Parque Tecnológico da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), para reuniões e interações com potenciais parceiros; ● Interação com equipe multidisciplinar altamente qualificada, aceleradoras, mentores de negócios e outros parceiros do ISI B&F; ● Financiamentos a partir de R$180 mil reais, com a possibilidade de aplicar R$25 mil das contrapartidas financeiras e...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
Embrapa desenvolve película biodegradável para embalar alimentos
Pesquisadores da parceria entre a Embrapa, a UFSCar e a universidade francesa de Grenoble Alpes conseguiram incorporar nanocristais de celulose à gelatina. O resultado foi uma película resistente para proteger alimentos, antimicrobiana, antioxidante, estável, biodegradável e até co...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
A bioeconomia como parte da solução para os desafios da mudança climática
Em entrevista ao website Indústria Verde, Paulo Coutinho, pesquisador-chefe do Instituto SENAI de Inovação em Biossintéticos e Fibras, falou da impor...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
Cada vez mais usinas de cana-de-açúcar consideram a produção de Biogás e Biometano
Incentivadas pelo programa Metano Zero lançado pelo Governo Federal que visa incentivar a geração de biometano e d biogás através do auxílio de bancos públicos, as usinas de cana-de-açúcar passaram a incluir em seus planos o investim...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
Matérias-primas renováveis são utilizadas na produção de ácidos orgânicos
Pesquisadores da Embrapa Agroenergia desenvolveram bioprocessos que exigem poucas adaptações nas instalações industriais atuais para produzir os ácidos lático, cítrico, xilônico e kójico, muito utilizados nas indústrias ...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
Estudo da Embrapa apresenta os resultados da expansão sustentável do cacau
Durante a programação do Chocolat Xingu 2022 – Festival Internacional do Cacau e Chocolate, no Pará, a Embrapa Amazônia Oriental apresentou os resultados do estudo “A (...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
Acordo entre EMBRAPII e IDESAM beneficiarão pequenas empresas e startups da região Amazônica
Dia 1º de julho, durante a Expo Amazônia Bio&TIC, a Empresa Brasileira de Inovação Industrial (EMBRAPII) e o IDESAM – Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia assinam um acordo de cooperação com o ob...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
Em parceira Petrobras e Vallourec vão testar uso de óleo vegetal no refino
O objeto da parceria entre Petrobras e Vallorec é o bio-óleo — óleo de origem vegetal, 100% renovável que já está em fase de testes no Centro de Pesquisas e Inovação da Petrobras (Cenpes) e tem potencial para ser utilizado como matéria-prima na geração de ...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
Couro de micélio pode ser um dos aliados do mundo da moda rumo à sustentabilidade
Sendo uma das indústrias mais poluentes do mundo emitindo 10% do carbono global, a moda tem buscado soluções alternativas para ser reduzir suas contribuições as mudanças climáticas. Neste contexto o couro...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
Juntas Petrobras e Braskem irão impulsionar tecnologias e produtos mais sustentáveis
A Petrobras e a Braskem fecharam parceria para prospectar oportunidades de cooperação tecnológica e negócios que sejam mais sustentáveis com foco no desenvolvimento de produtos circulares com menor emissão de CO2. A parceria possui três linhas de atuação: uso de matérias-primas renováveis para a produção de insumos petroquímicos mais...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
Amyris inicia operação de sua nova planta em Barra Bonita
Em press release, dia 23 de junho, a Amyris, empresa americana de biotecnologia com sede no Vale do Silício, nos Estados Unidos, anunciou o início da operação do processo industrial de fermentaç...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
Hidrogênio Verde: a nova commoditie energética do Brasil?
O hidrogênio, pode ser usado como fonte de energia para diversas aplicações despertando o interesse do mercado externo. Segundo Paulo Emílio Valadão, presidente da Associação Brasileira de Hidrogênio ...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
SENAI CETIQT debate a Biologia Sintética como um dos pilares para o desenvolvimento da bioeconomia
*texto produzido por Aimee Farias No dia 25 de maio, aconteceu mais uma edição do Café com Bioeconomia, um espaço de diálogo onde convidados e público podem interagir para discutir temas centrais da bioeconomia. Nesta edição, o Café abordou como a biologia sintética pode ser uma grande aliada no desenvolvimento da bioeconomia. O ‘Café’ contou com a presença de Aline Dumaresq – especialista em Engenharia Metabólica e Biotecnologia na Braskem; Fernando Torres – pesquisador no INCT – Biologia Sintética; Maria Astolfi – pesquisadora no JBEI Join BioEnergy Institute, Universidade da Califórnia, e foi moderado por Lucas Cespedes – pesquisador na Coordenação de Biotecnologia do SENAI CETIQT. Lucas Cespedes iniciou o bate-papo convidando os participantes a trazerem suas perspectivas a respeito do papel da biologia sintética na bioeconomia. Aline declarou que, de fato, enxerga a biologia sintética como um pilar: “Ela sozinha é difícil de caminhar.  Nós temos diversas outras tecnologias que vão convergir para entregar soluções, mas o que a biologia sintética traz são novas possibilidades, soluções que antes eram impossíveis. Eu vejo a biologia sintética como uma importante ferramenta para trazer inovação. Além disso, é importante mencionar que o papel dela para trazer soluções é fundamental, mas também precisamos pensar que isso talvez venha cominado com processos químicos ou processos enzimáticos, então, talvez, a solução ideal nem sempre venha sozinha. Por isso achei a definição como um ‘pilar’ muito adequada”, disse. Em seguida, Fernando Torres afirmou que a grande vantagem da biologia sintética é a celeridade das novas ferramentas. “O tempo é uma variável de luxo! Hoje em dia não podemos mais esperar que as coisas aconteçam espontaneamente. Um exemplo clássico foi o que aconteceu com a pandemia da Covid-19. Em 2003, quando surgiu a epidemia de SARS-CoV, levaram dois meses para sequenciar o genoma do vírus. Em 2020, com a Covid-19, levamos algumas horas para sequenciar o genoma para saber com o que estávamos lidando. Quando me formei, jamais poderia imaginar que estaríamos fazendo o que nós estamos fazendo hoje...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
Iniciativa Amazônia+10 anuncia primeira chamada de propostas
Elton Alisson, de Manaus | Agência FAPESP – Será lançado nos próximos dias o primeiro edital da iniciativa Amazônia+10, um programa de desenvolvimento de ciência, tecnologia e inovação (C,T&I) na Amazônia Legal criado em novembro de 2021 pela FAPESP, em parceria com os conselhos nacionais de Secretários Estaduais para Assuntos de CT&I (Consecti) e das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap). O anúncio foi feito ontem (09/06) durante a abertura do Fórum Nacional do Consecti e do Confap, que ocorre até hoje (10/06) em Manaus, no Amazonas. “O propósito da iniciativa Amazônia+10 é mobilizar pesquisadores de todo o Brasil, especialmente da Amazônia Legal, dedicados a estudar e oferecer soluções concretas para os desafios para o desenvolvimento sustentável da Amazônia, que passam pela criação de alternativas de emprego e renda para a população que vive na região”, disse Carlos Américo Pacheco, diretor-presidente do Conselho Técnico-Administrativo (CTA) da FAPESP. A iniciativa, que já conta com R$ 100 milhões da Fundação para os próximos cinco anos, apoiará projetos de pesquisa em colaboração voltados à conservação da biodiversidade e adaptação às mudanças climáticas, à proteção de populações e comunidades tradicionais, aos desafios urbanos e à bioeconomia como política de desenvolvimento econômico na região. A expectativa é que os recursos para o financiamento de pesquisa atinjam a marca dos R$ 500 milhões com a adesão de governos, empresas e organizações sociais. O programa inicialmente reunia a FAPESP e os nove Estados da região amazônica: Amazonas, Acre, Rondônia, Roraima, Pará, Maranhão, Amapá, Tocantins e Mato Grosso. Agora, neste primeiro edital, 18 fundações de amparo à pesquisa estaduais (FAPs) participam: São Paulo, Amazonas, Rio de Janeiro, Pará, Paraná, Maranhão, Mato Grosso, Rio Grande do Sul, Amapá, Distrito Federal, Alagoas, Goiás, Paraíba, Pernambuco, Rondônia, Espírito Santo, Piauí e Santa Catarina. "Esse é um trabalho construído com várias mãos. Temos a participação de praticamente todas as FAPs da Amazônia Legal, além do Consecti, do Confap e da FAPESP, que foi muito importante nesse processo", disse Márcia Perales, diretora-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e vice-presidente do Confap. Os recursos previstos totalizam mais de R$ 50 milhões, dos quais R$ 30 milhões serão alocados pela FAPESP. A expectativa é que outras FAPs e instituições públicas e privadas, além de empresas, também apoiem a chamada. “Estabelecemos o prazo de até 15 de julho para outras FAPs e instituições públicas e privadas, além de empresas, aderirem ao edital. A meta é que a iniciativa envolva todas as 26 FA...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
Transformação digital pode acelerar desenvolvimento do mercado de carbono
Com os efeitos das mudanças climáticas estando mais óbvios a cada dia o conceito de máquinas de captura de carbono se faz cada vez mais necessário. Além disso, o mercado de carbono vem expandindo nos últimos anos principalmente devido a cobrança da sociedade. Entretanto, para o avanço do me...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
Biosoluções são grandes aliadas contra as mudanças climáticas.
Com os diversos desafios a serem resolvidos – alimentar populações em crescimento, mitigar as mudanças climáticas e aproveitar melhor nossos recursos compartilhados. Precisamos de respostas para os desafios mundiais de clima, saúde e sustentabilidade. A biotecnologia pode fornecer biosoluções poderosas para resolver esses p...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
Títulos Verdes podem financiar a bioeconomia
A bioeconomia possui um papel fundamental na uma transição para uma economia de baixo carbono. Porém, nesta transição será observada uma quebra de paradigma em relação a indústria de origem fóssil. Para o desenvolvimento tecnológico da bio...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
Cinco setores assinam acordo com MMA para reduzir emissão de carbono
Durante o Congresso Mercado Global de Carbono, os setores de biogás, energia eólica, etanol, resíduos e alumínio se comprometeram a redução de gases do efeit...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
Conexsus lança estudo com mapeamento de oportunidades do mercado internacional para produtos da sociobiodiversidade
O diagnóstico apresentado no relatório Panorama e Oportunidades do Mercado Internacional para Produtos da Sociobiodiversidade lançado pela Conexus em parceria com o Partnership For Forest (P4F) e o Programa de Facilitação do Comércio Brasil-Reino Unido apontou que a demanda por produtos alimentícios e cosmético...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
SENAI CETIQT e abit promovem debate no Café com Bioeconomia as Janelas de Oportunidades para Indústria Têxtil
*texto produzido por Aimee Farias No dia 11 de maio, aconteceu mais uma edição do Café com Bioeconomia, que teve como enfoque discutir quais ações que a indústria têxtil vem realizando para ser mais sustentável e circular, além de quais são as fronteiras tecnológicas na adoção de novas matérias-primas renováveis. O debate contou com a presença de Adriano Passos – Coordenador da Plataforma de Inovação em Fibras do SENAI CETIQT ; Leandro Alves Silva – Sócio Fundador da Musafiber e Morgana Stegemann – Diretora de Marketing da DuMeio e foi moderado por Fernando Pimentel – Presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit). É evidente que no momento atual a agenda da sustentabilidade, inovação e tecnologia está acelerando. A bioeconomia coloca a Indústria Têxtil e de Confecção do Brasil em um patamar que poderá alçá-la a uma posição privilegiada. Fernando Pimentel introduz declarando: “Vejo nossa indústria têxtil com espaço enorme para conquistar o mercado tanto nacional como mundial”. O debate se iniciou com o seguinte questionamento: Quais poderão ser as principais oportunidades para o segmento no âmbito dessa jornada da bioeconomia? Morgana Stegemann iniciou: “É um grande desafio falar sobre biofabricação no Brasil, ainda falamos pouco e produzimos menos ainda. Dentro da minha área de microorganismos, nós já temos couros de bactérias, fungos… A DuMeio é pioneira na fabricação de biotecidos com bactérias. Nosso grande desafio é conseguir tornar esses materiais tão eficientes quanto os materiais sintéticos que vemos circulando por aí. Então ainda temos muito trabalho nesse sentido”, ressalta. Em seguida, Leandro Alves compartilhou sua posição sobre fibras naturais alternativas. “Existe um movimento crescente para utilização em produtos finais de maior valor...
22/09/2022 | 0 comentários
0 comentários
de 1